Câmara inicia sondagem de solo para construir anexo de R$ 320 milhões

Câmara inicia sondagem de solo para construir anexo de R$ 320 milhões

A Câmara dos Deputados deu início nesta semana à sondagem de subsolo para viabilizar o projeto para construir mais um anexo para abrigar gabinetes de deputados e vagas de estacionamento. O custo estimado da obra é de R$ 320 milhões. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (23) pelo primeiro-secretário da Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP).

A construção do novo prédio foi aprovada no ano passado e era uma das bandeiras de campanha do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Inicialmente, o projeto, orçado à época em R$ 1 bilhão, previa a construção de mais edifícios, que abrigariam lojas e restaurantes, o que rendeu à obra o apelido de “Parlashopping”.

A eventual instalação de um centro comercial dentro do parlamento gerou polêmica. Diante da repercussão negativa, o projeto foi refeito e agora apenas um prédio será construído.

A medida é uma antiga demanda dos parlamentares por mais espaço e visa acomodar melhor as comissões da Casa. Pelos cálculos da diretoria-geral da Câmara, cerca de 30 mil pessoas chegam a circular pela Câmara nos dias mais movimentados.

Novo projeto
Na proposta original, a Câmara pretendia fazer uma parceria público-privada, em que uma empresa faria a obra e depois teria direito a explorar serviços no local. No entanto, a iniciativa não foi para a frente por conta das críticas. Além disso, em razão da crise econômica, não houve procura por empresas interessadas.

A direção da casa legislativa, então, simplificou o projeto para que pudesse ser bancado com recursos próprios. O dinheiro que será usado para erguer o prédio já está em caixa e é oriundo da venda da folha de pagamento dos servidores da Câmara, em 2007, para o Banco do Brasil e para a Caixa.

Pelo projeto atual, o Anexo 4-B – nome dado ao novo edifício –, terá três andares acima do solo, que abrigarão salas de reunião, gabinetes, um restaurante e uma lanchonete. Haverá ainda um pavimento inferior com auditórios e mais gabinetes.

Os cinco primeiros subsolos serão destinados para quase 2 mil vagas de estacionamento. Um sexto subsolo abrigará reservatórios de água.

A ideia é transferir para o novo prédio os gabinetes parlamentares que atualmente estão instalados no Anexo 3. Os deputados que despacham neste anexo costumam reclamar de falta de espaço.

Prospecção de solo
Essa fase preliminar de prospecção do solo deve durar 50 dias e, a partir das conclusões, será elaborado um projeto. Um primeiro furo já começou a ser feito no estacionamento do Anexo 4.

No total, serão seis furos, com profundidade de 45 metros cada um. A sondagem servirá para analisar o tipo de solo ou se há, por exemplo, alguma rocha, o que determinará o custo final da obra.

Mansur ressaltou nesta quinta, ao lançar a prospecção do solo, que a conta bancária da Câmara tem R$ 400 milhões, o que poderia cobrir eventual despesa que ultrapasse o orçamento original de R$ 320 milhões. “Temos dinheiro suficiente para fazer essa obra”, ressaltou Mansur.

Segundo o primeiro-secretário, a expectativa é que o lançamento de edital para licitar a obra aconteça ainda neste ano. A construção deverá levar quatro anos após a contratação da empreiteira.

Em relação às licenças para a construção, o deputado garantiu que todas já foram solicitadas junto ao governo do Distrito Federal e que o edital só será divulgado quando essa parte burocrática estiver resolvida.