PREFEITURA ANUNCIA RETOMADA DAS OBRAS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO

PREFEITURA ANUNCIA RETOMADA DAS OBRAS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO

As obras de afastamento e tratamento do esgoto de Marília deverão ser retomadas pela atual administração ainda no primeiro semestre.
Um recurso de aproximadamente R$ 50 milhões – pela Caixa Econômica Federal – já teria sido liberado. Segundo a Administração Municipal o dinheiro será suficiente para concluir e colocar em funcionamento duas das três estações de tratamento doe esgoto produzido pelo Município.

Conforme observou o secretário municipal da Fazenda, Levi Gomes, em entrevista ao Jornal Cidade de Marília, no momento os projetos para a retomada da obra estão sendo concluídos. “Em abril estaremos abrindo a licitação para a retomada dos trabalhos”, considerou o secretário municipal. Em dezembro do ano passado, ainda na condição de prefeito eleito de Marília, o então empresário Daniel Alonso assumiu um compromisso com a presidência da Caixa Econômica Federal e se responsabilizou em retomar a obra. “O prefeito assumiu todos os compromissos daquilo que era normatizado pela Caixa Federal. Então, na verdade, o primeiro pacto consistiu num pacto de confiança. Mas, agora, trata-se de um pacto administrativo”, contextualizou o secretário municipal da Fazenda.
O prefeito Daniel Alonso pretende estreitar o relacionamento institucional de Marília com o ministro das Cidades, Bruno Araújo, principalmente para que seja alcançado o suporte necessário durante a retomada da obra do esgoto.
“Vamos precisar, não só da efetivação deste recurso do nosso convênio, mas de ajuda para outras frentes”, considerou.
Alonso ponderou que a retomada das obras de afastamento e tratamento de esgoto em Marília encontram-se na fase de finalização de orçamentos.
“Esta fase é importante para que possamos dar prosseguimento à licitação da obra”, contextualizou. O dinheiro repatriado do convênio permitirá a conclusão de duas bacias. “Mas nós iremos também buscar recursos para o término da terceira bacia”.

As obras estão paradas há dois anos e vinham sendo conduzidas pela empreiteira OAS. Aproximadamente R$ 20 milhões, dos quase R$ 64 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC, teriam sido utilizados para as construções das estações de tratamento do sistema Barbosa e Pombo. Desde o início da obra, ainda no primeiro governo de Mário Bulgareli, em 2005, ao menos um terço do projeto foi concluído, estando bem avançadas as obras das estações do Barbosa e do Pombo. Ao todo, mais de R$ 103 milhões do governo federal foram destinados para a obra, incluindo aporte financiado pelo BNDES e verbas do PAC.

Fonte: Jornal Cidade de Marília