LEISHMANIOSE: PREOCUPAÇÃO LEVA ESTADO A PROMOVER SEMANA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA DOENÇA – EM MARÍLIA JÁ SÃO 11 CASOS CONFIRMADOS ESTE ANO

LEISHMANIOSE: PREOCUPAÇÃO LEVA ESTADO A PROMOVER SEMANA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA DOENÇA – EM MARÍLIA JÁ SÃO 11 CASOS CONFIRMADOS ESTE ANO

Doença grave que acomete humanos e pode levar à morte, a Leishmaniose Visceral está entre os grandes desafios da saúde pública no país. Para reforçar a importância das ações, ampliar o conhecimento e envolver a comunidade, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo promove de 07 a 11 desde mês a “Semana de Prevenção e Controle da Leishmaniose”. Profissionais de Marília participaram, nesta terça-feira (08), de evento na Capital Paulista.

O lema #Euapoioefaçoparte, lançado em todo o Estado, busca uma mobilização social para alertar a população sobre o risco da doença que acomete cães e humanos. É causada por um protozoário transmitido pela picada do Lutzomyia longipalpis, conhecido como “mosquito palha”.

Menor que o Aedes Aegypti, o inseto não precisa de água parada para se reproduzir, mas de material orgânico fartamente encontrado em quintais. Em 2017 a Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde notificou 11 casos humanos na cidade.

As duas confirmações mais recentes da doença foram registradas em novas áreas de transmissão: Altaneira (zona leste) e Alto Cafezal (oeste). Desde 2011, quando começou a transmissão, não ocorreu nenhum óbito por leishmaniose na cidade, segundo a vigilância.

AVANÇO

Primariamente, a leishmaniose visceral é uma zoonose caracterizada como doença eminentemente rural, mas que se adaptou à área urbana nos últimos anos. A densidade de cães (que tornam-se hospedeiros, após serem picados pelo inseto) e o acúmulo de matéria orgânica aumentam os riscos. Em toda a América Latina, a transmissão tem avançado em novos territórios.

De 1999 a 2014, foram confirmados 2.712 casos autóctones no Estado de São Paulo, com mortalidade de 8,6%. A presença do vetor foi constatada em 177 municípios paulistas.

O Fórum realizado na Capital é uma das ações da Semana Nacional de Controle e Combate a Leishmaniose, instituída por lei federal em 2012. O calendário da Saúde destaca 10 de agosto como o Dia Nacional de combate à doença.

Marília foi representada no evento pelas enfermeiras Alessandra Arrigoni Mosquini e Luciana Stroppa, que atuam na Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde. Elas acompanham as notificações e agravos nos pacientes, bem como orientam as equipes que trabalham na prevenção e tratamento.

“A cooperação técnico-científica, bem como a mobilização e o compartilhamento das informações sobre as ações bem-sucedidas são muito importantes. O desafio que está sendo encarado hoje por Marília é comum a muitas cidades. Estamos engajados e precisamos do apoio de todos para conter a transmissão. Não podemos facilitar para o mosquito”, disse Alessandra.

Os esforços devem ser tanto do Estado quanto dos municípios. Em Marília, funciona desde o início do ano o GT Leishmaniose (Grupo Técnico) que trata o tema e reúne, entre seus membros, profissionais com perfil técnico da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias).

AÇÕES

A cidade realiza as principais ações preconizadas pelo Ministério da Saúde, ou seja, orientação e ações de Educação em Saúde através dos agentes comunitários e agentes de endemias; diagnóstico precoce através das equipes das unidades de Saúde; tratamento dos casos humanos (hospitalar e ambulatorial); monitoramento de cães infectados pelo parasita, por meio da Divisão de Zoonoses.

Marília também realiza a limpeza periódica de áreas públicas e ações de conscientização para que os moradores mantenham os quintais limpos. Na região do bairro Jânio Quadros (zona norte), onde é verificada a transmissão mais intensa em 2017, caminhões percorrem as ruas para a coleta de materiais orgânicos que não podem ser colocados no lixo residencial doméstico, como galhos, folhas, madeira e objetos em decomposição.

MARÍLIA: TRANSMISSÃO EM HUMANOS COMEÇOU EM 2011

A cidade apresenta casos da doença em humanos desde 2011, quando foi confirmada uma notificação de leishmaniose visceral na zona norte. Em 2014 foram outras duas ocorrências e em 2015 mais uma. Em 2016 o número disparou: foram dez casos.

Sem ações específicas de controle nos últimos três anos, o avanço prosseguiu. Em janeiro deste ano, quando assumiu a pasta, Kátia Santana, alertou sobre os riscos e articulou a formação do Grupo Técnico.

No primeiro semestre foram confirmados nove notificações positivas da doença, todas na mesma região, sendo cinco no Jânios Quadros e Alcides Matiuzzi. Por isso, ações de controle naquela região foram intensificadas.

É orientação do Grupo Técnico, para controle da doença, a eliminação dos galinheiros e chiqueiros dos quintais dos imóveis urbanos. Os animais fornecem sangue (alimentação) para o mosquito-palha, além de viverem em ambientes de difícil asseio, propícios para a reprodução do inseto.

CONHEÇA O INIMIGO

O pequeno inseto se alimenta do sangue de cães, porcos e galinhas. No caso dos animais de estimação, além de serem contaminados e desenvolverem a Leishmaniose Visceral Canina, tornam-se hospedeiros do protozoário causador a doença.

O mesmo protozoário atinge o organismo dos humanos, através da picada do mosquito contaminado. Por isso a importância da limpeza dos quintais e higiene e cuidado com a saúde dos cães. Atualmente, o tratamento do cão não assegura o fim do ciclo de transmissão da doença.

SINTOMAS

A Leishmaniose é uma doença sistêmica. Em humanos é caracterizada por febre de longa duração, perda de peso, fraqueza muscular e anemia, entre outras manifestações. Quando não tratada, pode provocar a morte em mais de 90% dos casos.

Em cães, podem ocorrer perda de peso, falta de apetite, apatia, feridas de pele que não cicatrizam, feridas nas orelhas, lesões oculares, falta de pelo entorno dos olhos. Nos casos em que os rins são afetados, os animais bebem muita água e urinam em grande quantidade. Os sintomas também demoram a surgir nos cães, que podem transmitir a doença mesmo sendo assintomáticos.

Fonte: Marília Notícia