MAIS UMA VITÓRIA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA: OPERAÇÃO DO GAECO NO PARANÁ FOI DESENCADEADA APÓS INVESTIGAÇÃO DE ONG

MAIS UMA VITÓRIA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA: OPERAÇÃO DO GAECO NO PARANÁ FOI DESENCADEADA APÓS INVESTIGAÇÃO DE ONG

O trabalho de integrantes de uma ONG (Organização Não Governamental) de Curitiba mais uma vez levou o Ministério Público a desencadear uma operação de combate ao mal uso e corrupção envolvendo contratos e licitações no estado do Paraná. Esta semana vários policiais foram designados para dar cumprimento a mandados de busca e apreensão em 11 cidades do estado dentro da Operação Container, que ocorreu depois de uma investigação que constatou inúmeras irregularidades em contratos com uma empresa de lixo com sede no sudoeste.

De acordo com Sir Carvalho que é presidente da ONG Vigilantes da Gestão, a operação é fruto de um trabalho de investigação de pouco mais de cinco anos.

“Nós começamos apurar uma série de irregularidades em diversas cidades e a partir disso fizemos encaminhamento nas promotorias responsáveis por processos em cada município, em seguida isso foi levado para o conhecimento do Gaeco que deu início a uma investigação mais aprofundada”, afirma Sir.

Foi nesse período que integrantes do grupo viajaram pelo interior do estado verificando as irregularidades em documentações e em loco, onde foram encontrados valores a mais, fraudes em licitações e orçamentos, destinação incorreta de resíduo, sendo que a empresa investigada recebia via contrato para dar provimento correto ao lixo.

“A medida que a gente encontrava alguma irregularidade a gente analisava o processo de licitação como um todo e às vezes a gente identificava que o processo nascia de forma irregular tendo documentos falsos e na maioria das vezes ligados ao mesmo grupo. E depois, quando fomos a campo identificamos a destinação incorreta do lixo, a não correta prestação de serviços. A operação ela tem um objetivo que é sempre remunerar alguém, então pra isso é necessário é necessário não prestar ou realizar de forma irregular o serviço para sobrar dinheiro e remunerar os agentes que porventura venham se beneficiar dela”, afirma Sir Carvalho.

Segundo o representante do grupo, agentes políticos também podem estar envolvidos no esquema de corrupção, já que durante o processo de investigação a suspeita foi levantada.

Vigilantes da Gestão

O Vigilantes da Gestão tem como objetivo principal atuar como organismo de proteção ao patrimônio público e apoio às comunidades para pesquisa, análise e divulgação de informações sobre o comportamento de entidades e órgãos públicos com relação à aplicação dos recursos, ao comportamento ético de seus funcionários e dirigentes, aos resultados gerados e à qualidade dos serviços prestados. Promover na esfera administrativa e junto ao Ministério Público e Poder Judiciário a defesa de bens e direitos sociais, coletivos e difusos relativos ao patrimônio público, ao meio ambiente, sob todos os seus aspectos, ao patrimônio cultural, aos direitos humanos e dos povos. Denunciar e combater a corrupção e a degradação ambiental, em todas as suas formas, através dos meios legais disponíveis. O Vigilantes da Gestão não presta serviços às entidades públicas, não faz intermediação de serviços junto aos órgãos públicos, depende integralmente de doações de recursos financeiros e estruturais de seus mantenedores para manter atividades de monitoramento do poder público e lutar por transparência na gestão do dinheiro do cidadão brasileiro.

Fonte: Tarobá News

*imagem meramente ilustrativa.