Prédio da Rádio 950 é leiloado em ação de improbidade contra Abelardo Camarinha

Prédio da Rádio 950 é leiloado em ação de improbidade contra Abelardo Camarinha

O prédio onde funciona atualmente a Rádio 950, no Centro de Marília, foi leiloado pelo valor de R$ 555 mil na execução de uma ação por improbidade administrativa contra o ex-prefeito Abelardo Camarinha.

Segundo reportagem publicada pelo site Marília Notícia, na semana passada a 3ª Vara Cível de Marília considerou a arrematação do imóvel “perfeita, acabada e irretratável”. Trata-se de parte do resultado de um processo iniciado há 17 anos.

Abelardo Camarinha foi acusado pelo Ministério Público de improbidade administrativa ainda em 2002, pela locação de um apartamento localizado em área nobre de São Paulo por meio da Prefeitura de Marília.

O imóvel estava em nome de sua oficial de gabinete na época, Marildes Lavagne, e do marido dela, Walter Miosi. O casal seria “laranja” do ex-prefeito na época da locação (ano 2000), conforme acusação da promotoria.

Em sua defesa prévia, o ex-prefeito alegou que a locação do apartamento com dispensa de licitação era uma necessidade imediata de sua administração.

Na primeira instância, em 2007, o juiz Olavo de Oliveira Neto entendeu que não se tratava de um caso de improbidade e julgou a ação improcedente. O magistrado considerou na época que o valor da locação estava compatível com o do mercado e a situação não provocou prejuízos aos cofres públicos.

Posteriormente, em 2013, Abelardo foi condenado por dano ao erário pelas instâncias superiores e condenado a devolver o valor para a Prefeitura de Marília R$ 112 mil.

Ele também teve seu nome incluído no Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Improbidade Administrativa e Inelegibilidade – onde está até hoje, de acordo com a reportagem publicada pelo Marília Notícia.

Em 2016, quando o caso já havia transitado em julgado, na ação de execução da sentença constava o valor atualizado de R$ 352 mil como débito em nome de Abelardo Camarinha.

Antes disso, Marildes e Walter chegaram a ter seus salários e aposentadorias congelados por conta da mesma ação.

Na fase final a Justiça mandou levantar os imóveis em nome de Camarinha para o pagamento do débito, entre eles o prédio da Rádio 950.

Fonte: Marília Notícia

*imagem meramente ilustrativa.