Com o dinheiro do povo é fácil! Em meio ao recesso Legislativo, Marcos Rezende promulga Lei que vai aumentar em mais de 29% o salário dos vereadores para a próxima legislatura

Com o dinheiro do povo é fácil! Em meio ao recesso Legislativo, Marcos Rezende promulga Lei que vai aumentar em mais de 29% o salário dos vereadores para a próxima legislatura

Ignorando o clamor popular, a situação econômica do país, as manifestações sociais e até um pedido de anulação do reajuste salarial aprovado – documento que foi assinado por sete dos nove vereadores que havia votado pela aprovação do projeto de lei, incluindo a emenda que definiu o reajuste nos subsídios dos vereadores (conforme reportagem publicada no Jornal da Manhã, no dia 13 de dezembro) – o Presidente da Câmara Municipal de Marília, Marcos Rezende, promulgou  a LEI ORDINÁRIA NÚMERO 8507 que FIXA  OS  SUBSÍDIOS  DOS  VEREADORES E  DO  VEREADOR  NO EXERCÍCIO  DA  PRESIDÊNCIA  DA  CÂMARA,  A  PARTIR  DE  1º DE JANEIRO DE 2021. A promulgação da Lei foi publicada na edição desta quinta-feira (9) do Diário Oficial do Município.

Lei-aumento-vereadores-2020

De acordo com a Lei, promulgada pelo Presidente do Legislativo, já que o Prefeito optou por não sancionar nem vetar a Lei, os subsídios (salários) dos vereadores em Marília será de R$ 8.670,00 a partir de 2021 (próxima Legislatura) – o que significa que cada vereador eleito receberá R$ 1.951,88 a mais por mês, um aumento de 29,05% em comparação ao valor atual que é de R$ 6.718,12.

Já o Presidente da Câmara passará a ganhar a partir de 2021, R$ 9.630,00 por mês, R$ 2.540,78 ou 35,84% a mais!

Cálculos da Matra indicam que com o aumento, os treze vereadores da próxima legislatura vão custar R$ 1.246.240,32 a mais para os marilienses – mas com o dinheiro do povo é fácil, não é mesmo?

Se levarmos em conta que a o rendimento domiciliar per capita (por pessoa) do Brasil ficou em R$ 1.373 em 2018 (dado mais recente segundo o IBGE), que cada vereador tem a sua profissão e os subsídios são uma ajuda de custo para o exercício do mandato e, ainda, que TODO o dinheiro usado pela Câmara para cobrir as suas despesas sai do mesmo cofre da Prefeitura, mesmo com a justificativa de que esses valores estão dentro do limite máximo de gastos do Legislativo permitido por lei, não se pode aceitar que se empregue dessa maneira o dinheiro dos impostos dos cidadãos.

A Matra apontou em publicações anteriores que existe uma infinidade de outras prioridades. Sem contar que somando-se os vereadores arrependidos de terem aprovado o aumento e que pediram anulação do ato no final do ano passado (Danilo da Saúde, Professora Daniela, Maurício Roberto, Marcos Custódio, Evandro Galete, Mário Coraíni Júnior e João do Bar – conforme apontou reportagem do jornal da Manhã), com os quatro vereadores que já tinham votado contra o aumento (Wilson Damasceno, José Luiz Queiroz, Luiz Eduardo Nardi e Cícero do Ceasa), chegamos a 11 edis que já se posicionaram CONTRA O AUMENTO, ainda no final e 2019. Como fica isso? O Presidente do Legislativo vai simplesmente ignorar todas essas manifestações após a aprovação de um projeto polêmico como este, em sessão extraordinária, tarde da noite?

Fique atento cidadão: Porque Marília tem dono: VOCÊ!

 Para mais informações sobre o projeto aprovado e a votação relâmpago, veja o artigo publicado pela Matra no dia 15 de dezembro de 2019:

COM O DINHEIRO DO POVO É FÁCIL! AUMENTO DE 29% PARA VEREADORES REPRESENTA UM GASTO DE R$ 1,2 MILHÃO A MAIS A CADA MANDATO

Veja também:

Após sofrer pressão popular grupo de vereadores entra com pedido na Câmara para anulação de reajuste salarial

*imagens meramente ilustrativas.