Notícias

Busca

MATRA

Aumento da conta de luz já afeta gastos da União em quase R$ 1 mi

09 de maio de 2014 - 09:17

Apesar da promessa de os gastos com conta de luz só serem repassados para os cidadãos no ano que vem, os dispêndios do próprio governo já subiram. A União (junção do Executivo, o Legislativo e do Judiciário) aumentou em R$ 966 mil os dispêndios com energia elétrica. Os valores são referentes à energia elétrica de todos os prédios do setor público federal brasileiro.

Nos quatro primeiros meses do ano passados foram desembolsados R$ 346,5 milhões com as contas de luz do governo federal. Neste ano, o valor passou para R$ 347,4 milhões. Os dados foram levantados pelo Contas Abertas no Sistema de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi).

Conta de luz da União 2014O maior volume de recursos pago em 2014 se deu exatamente no mês de abril, quando R$ 120 milhões saíram dos cofres públicos para a conta de luz. Em janeiro, fevereiro e março foram desembolsados R$ 24,5 milhões, R$ 92,5 milhões e R$ 110,4 milhões, respectivamente.

O Ministério da Educação lidera o ranking de gastos no primeiro quadrimestre do ano. Ao todo, R$ 86,5 milhões foram desembolsados pela Pasta com esse tipo de despesa. De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, além da administração central localizada em Brasília, o valor inclui pagamento de energia para 63 universidades federais e 40 institutos técnicos de ensino médio.

Em segundo lugar no pódio está o Ministério da Defesa (MD) com a conta de R$ 68,8 milhões. A soma abrange todos as unidades das Forças Armadas na Marinha, Exército e Aeronáutica. O terceiro colocado é o Ministério da Saúde, com uma conta de luz de R$ 26,3 milhões em 2014.

Com o aumento da tarifa, é provável que a União não consiga repetir a diminuição de gastos com energia elétrica que realizou no ano passado. A conta de luz do governo federal foi de R$ 1,4 bilhão em 2013. No ano anterior, R$ 1,7 bilhão foi desembolsado para a rubrica. Os valores considerados pelo Contas Abertas são atualizados pelo IGP-DI, da Fundação Getúlio Vargas.

Segundo o especialista em consumo de energia da Unicamp, Gilberto Januzzi, a diminuição dos valores em 2013 foi uma notícia boa, porém é preciso considerar que o próprio governo decretou uma redução tarifária na época. “Isso quer dizer que a redução os valores pode estar maquiando um consumo alto por parte do setor público”, considera.

Para Januzzi, a redução poderia ser muito mais efetiva. “O setor público possui um grande potencial inexplorado para economia de energia, tanto na parte técnica quanto na gestão de pessoas. Não adianta apenas falar em usar tecnologias mais eficientes, temos que fazer programas de conscientização para que os próprios servidores possam gerenciar o uso de energia. Grandes empresas privadas possuem programas consistentes que deram resultados efetivos”, conclui.

Aumento da conta de luz

O governo federal prometeu destinar R$ 4 bilhões para não aumentar tanto a conta de luz dos brasileiros no ano que vem. Esses R$ 4 bilhões serão provenientes de aporte do Tesouro Nacional. A conta de luz já está subindo por causa do uso de termelétricas para gerar energia, o que é mais caro que as tradicionais hidrelétricas.

O reajuste não será feito em 2014, ano de eleição, mas apenas no ano que vem. Não foram dados detalhes de valores ou percentuais nem exatamente quando aconteceria a elevação. O aporte de R$ 4 bilhões será adicional aos R$ 9 bilhões já orçados pelo Tesouro para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) neste ano.

As distribuidoras de energia têm tido gastos maiores nos últimos meses por causa do aumento do uso de energia de termelétricas, que é mais cara. As termelétricas são mais utilizadas quando há menos água nos reservatórios das hidrelétricas, como está acontecendo neste momento.

Esplanada Sustentável

Desde 2012, existe um projeto intitulado Esplanada Sustentável, com o objetivo de incentivar órgãos e instituições públicas federais a adotarem modelo de gestão organizacional e de processos estruturado na implementação de ações voltadas ao uso racional de recursos naturais, promovendo a sustentabilidade ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal.

O Projeto Esplanada Sustentável (PES) é uma iniciativa conjunta de quatro Ministérios: Planejamento; Meio Ambiente; Minas e Energia; e Desenvolvimento Social e Combate à Fome. De acordo com o Ministério do Planejamento, 31 ministérios já aderiram ao programa.

Fonte: Contas Abertas

Comentários

Mais vistos