Notícias

Busca

MATRA

Consequências do voto

05 de novembro de 2012 - 14:57
 
Durante toda a época eleitoral o Superior Tribunal Eleitoral (TSE) e a MATRA – Marília Transparente – fizeram campanha em favor do voto limpo e consciente. Veiculados nacionalmente, as mensagens do TSE mostravam situações do cotidiano do eleitor e a importância de escolher um candidato honesto. Desta mesma forma, a MATRA divulgou em seu site, em artigos de jornal e por meio dos programas de rádio informações sobre como escolher um bom candidato, a seriedade desse ato cívico e necessidade de não abster-se do voto e jamais “vendê-lo”.
Mesmo assim, nessas eleições, de um total de 119.290 votos válidos, 7.273 marilienses anularam seu voto (5,53%), 4.296 votaram em branco (3,75%) e 30.961 deixaram de votar (19,05%). Por outro lado, houve alguns eleitores que preferiram vender seu direto como cidadão, caso que gerou a investigação de compra de votos realizada pela Polícia Federal (PF).
E foi por meio deste inquérito que a PF recebeu a denúncia e está averiguando a possível compra de votos pelo Presidente da Câmara Municipal Yoshio Takaoka, de dois vereadores eleitos e um suplente. Em decorrência das investigações, no dia Consequências do voto24 de outubro a PF localizou dois assessores de Takaoka circulando pela cidade em carro do Legislativo em busca de assinaturas para um contrato de prestação de serviço eleitoral com data retroativa de 3 de outubro para tentar afastar a compra de votos e, desta forma, fazer parecer que os cheques foram emitidos para pagamento de serviço eleitoral.
Junto com 300 contratos, também foram apreendidos cheques de campanha. Segundo a PF, em entrevista coletiva, como em campanha deve realizar pagamentos por meio de cheques, Yoshio possivelmente comprou os votos desta forma para dar “ar de legalidade” à prática. Por conta do flagrante, o vereador e seus assessores foram presos. Após passarem uma noite da cadeia,  pagaram fiança e foram liberados.
Na última sessão da Câmara, o Presidente teve que lidar com a rejeição dos próprios pares ao se negar a ler um requerimento protocolado antes do início da sessão que solicitava seu  fastamento. Com a negativa, todos os vereadores abandonaram o plenário, encerrando os trabalhos por falta de quórum.
Diante dos fatos investigados pela PF, a MATRA protocolou no dia 31 de outubro denúncia por quebra de decoro parlamentar com pedido de afastamento e instauração de Comissão Processante (CP) contra o Presidente do Legislativo. A denúncia visa a formação de uma CP por entender que ele violou os deveres da moralidade, da ética e do decoro parlamentar.
Após ser protocolada a denúncia, o requerimento deverá ser lido na sessão da Câmara de amanhã. Os vereadores irão votar pelo acatamento ou não. Se a maioria for favorável, será instaurada a Comissão Processante composta por três vereadores.
Recebendo o processo, o Presidente da Comissão iniciará os trabalhos dentro de cinco dias notificando o denunciado para que faça a sua defesa em dez dias. Não há prazo para que o processo seja concluído.
Diante de todos os fatos políticos ocorridos na cidade nos últimos anos, é comum ouvir cidadãos declarando apatia à política, mas esta rege toda a vida da população. Por isso lembre de que quem não gosta de política é governado por quem gosta e, muitas vezes, em benefício próprio diante da não vigilância dos cidadãos. Daí a necessidade do controle social, exatamente o que MATRA visa realizar.

Comentários

Mais vistos