Notícias

Busca

MATRA

FALTA DE PLANEJAMENTO E DE CONCURSO PÚBLICO SÃO APONTADOS COMO RESPOSNÁVEIS POR CORTE EM AULAS DE INGLÊS NA REDE PÚBLICA EM MARÍLIA

08 de maio de 2017 - 10:06

Após reportagem do Marília Notícia sobre o fim das aulas de inglês em uma escola municipal da zona norte de Marília, a Secretaria Municipal de Educação se pronunciou através de nota oficial, lamentando e explicando o problema.

Segundo a Prefeitura, a implantação da disciplina de Inglês na rede Municipal de Ensino aconteceu no ano de 2014 (governo de Vinícius Camarinha), inicialmente em todos os 5° anos nas EMEFs (Escola Municipal de Ensino Fundamental), mas “infelizmente essa implantação ocorreu sem planejamento de médio e longo prazo, indispensáveis à gestão pública de qualidade”.

Ainda de acordo com a administração municipal, houve a implantação do serviço público sem que fosse feito concurso para a contratação de professores.

Na oportunidade optou-se por oferecer as vagas abertas à professores já existentes na rede e que tinham na sua formação licenciatura para ministrar aulas de inglês, para assumir estas aulas no regime de jornada especial.

A explicação da Prefeitura é de que com o passar do tempo, o crescimento da demanda de professores nas salas de aula regulares, aliado as aposentadorias e desistências de professores em manter a jornada especial para lecionar a disciplina de Inglês, ficou inviável ter aulas em todas as EMEFs, mantendo a disciplina apenas nas EMEFs de tempo integral.

“Para solucionar o problema de maneira responsável, em 2017 a Secretaria Municipal de Educação contará com o concurso público, conforme compromisso da Administração Daniel Alonso com a cidade. É por meio do concurso público que a Secretaria Municipal de Educação poderá ter os professores habilitados na língua inglesa para assumir a disciplina no início do ano letivo de 2018”, finaliza a nota.

O caso

O fim das aulas de inglês em parte da rede municipal de ensino foi noticiada na última sexta-feira(05) pelo MN.

A reportagem mostra o caso específico da Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Américo Capelozza, localizada no Jardim Lavínia, zona norte de Marília.

“Esse ano tiraram o inglês. Em uma reunião a professora disse que não sabia o motivo, já que em outras escolas seria mantido. Não sei se é porque os outros lugares são ensino integral e no Capelozza apenas meio período”, disse o operador de caldeira Júlio Barros, de 36 anos, pai de uma garota de 8 anos.

A família se sente frustrada, já que não tem dinheiro para pagar uma escola de idiomas particular e a aluna já estava aprendendo as primeiras palavras em outra língua.

“Eu acho interessante. Ela chegava em casa falando várias coisinhas, aprendendo a pronúncia. Penso que as aulas de inglês na escola estimulariam ela. Servia de incentivo”, lamentou Barros.

Fonte: Marília Notícia

Comentários

Mais vistos